*****

**

 

*

 

 


 

*

 

 

 


QUANTO VALE A VIDA DE UM POETA?
Luíza Soares Benício de Moraes


Quanto vale a vida de um poeta?
Que te ama! Que ama a vida!
Que ama a natureza! As crianças!
E, porque ama, se preocupa com tudo isso!
Com o que agride, ofende, prejudica, altera, desmancha!
E, por isso grita! Sofre! Poetisa! Denuncia!
E morre!
Feliz, porém por ter cumprido sua missão!

VIVA O POETA!
VIVA SUA POESIA!
(04 de abril de 2009)
 

 


ADEUS

Luíza Soares Benício de Moraes

 


Adeus é separação
Rompimento de amizade
Um corte no coração
Que termina em saudade!



VER A VIDA
Luíza Soares Benício de Moraes
 


É plantar uma semente! Acompanhar seu surgimento!
Vê-la crescer! E produzir seus frutos!
Luíza Soares Benício de Moraes
A DOR DE VIVER
Sem a dor
Não é possível sofrer
Sem sofrer
Não é possível amar,
Sem amor
Não é possível viver.
(ano 1983)
 



QUERIA DIZER-TE
Luíza Soares Benício de Moraes


O quanto gostaria que vivesses
bem mais tempo...
pois tenho medo que te perca antes
que Deus te leve e me deixe só...
Sei que não devo
persistir pensando...
Entregar a Deus
é o melhor que faço!
Mas, se te vejo trabalhando tanto...
Fico pensando que estás apressando
a solidão que advirá por certo
de ficar sem ti..
(02 de dezembro de 2007)
 



O POR DO SOL
Luíza Soares Benício de Moraes


Ah! Como é lindo de se ver
Lá na minha praia, em Maragogi
O sol se pondo!
Nuvens vermelhas, amarelas se misturam
E se mesclam com o azul, o branco, verde, ou cinza...
As cores vão se misturando e outras cores vão
surgindo, enquanto o sol vai se escondendo
lentamente... por detrás dos morros de areia!
Enquanto isto, lá do mar...
Lá vem uma luz tão linda e intrigante!
É a lua que aparece no horizonte,
Enfeitando todo o Céu com seu luar!
Há assim, um momento de encontro, de nossas
almas com o sol e o luar!
Enquanto o sol desaparece no oeste,
A lua vai subindo e é tão grande, que de repente
Tem-se a impressão que saiu de dentro do mar!...,
Que neste instante se bronzeia lentamente
Colorindo a água do mar, com a luz
Que emitiu do seu luar!
(Setembro de 2010)


DECIFRANDO A VIDA
Luíza Soares Benício de Moraes


Já vivi muitos anos
Labutei até demais
Me diverti pouco em relação ao que produzi.
Mas vivi, e acho que tenho motivos para dizer:
Sou feliz!
Não viajei tanto quanto desejava,
mas nos livros li e vi por fotos as belezas do mundo!
A vida de outros povos,
tão diferentes da minha e também as cidades de
gente com costumes diferentes, mas
tão parecidos entre si no existir,
mesmo sem haver comunicação entre si.
Não acho a vida tão difícil de ser decifrada!
Claro que dependeria de nós os humanos fazê-la ser bem melhor.
Guerras? Não devia haver!
É destruição! É Incompetência!
Falta de crescimento do homem na sua evolução!
Culpados? Os Há! - Sempre repito: -Por incompetência!
Portanto deduzo que o Mundo tem condições de ser Feliz!
Os homens têm, se quiserem, a capacidade de decifrar a vida!
E viverem em Paz!



AMAR AO PRÓXIMO COM A SI MESMO
Luíza Soares Benício de Moraes



Senhor! Só podia partir de Ti
Uma frase como esta!
Quem somos nós para sermos tão humildes
ao ponto de “nos amarmos uns aos outros como Tu nos amastes?
Seria maravilhoso!
Não teríamos GUERRAS em nenhum lugar do mundo!
Não veríamos ninguém passando necessidades, crianças abandonadas,
Velhos desamparados, desempregos em massa,
Governos corruptos, ladrões, assassinos...
Não teríamos problemas de drogas pois ninguém quereria
Viver sem amor e Paz!
Estamos na eminência de sermos todos prejudicados por nossa falta de
amor e respeito pelo nosso irmão e nos detemos muitas vezes em problemas
diminutos, picuinhas, orgulho, quando premente é o Amor necessário, para
continuarmos vivendo, se é que queremos viver!
Se o teu mandamento, que substitui todos os outros numa só frase, pudesse
ser encarado verdadeiramente, respeitosamente e
fosse levado a sério por todos, tudo seria resolvido.
E poderíamos sonhar de haver PAZ!
Que possamos meditar sinceramente nos teus ensinamentos,
Base de todas as religiões
Base do Amor
Do Respeito
Da vida
Da Fé!
(18 de Março de 2008)



CONVIVENDO COM A VELHICE
Luíza Soares Benício de Moraes


Já estou nessa, com meus 73!
Daqui em diante, procurar fazer o certo
é mais difícil do que não errar tanto!
A memória falha, a vista já escurece...
A pressão sobe... Já aparece a glicose
Fazer ligeiro. é cair no escorrego...
É tropeçar, é ter problema de coluna,
É ver o errado e não saber qual é o certo,
É ser alegre e de repente ficar triste!
É comer pouco e pensar que comeu muito
Trocar remédio ou a hora de tomar
Ser complacente e às vezes indiferente...
É não crescer e até diminuir
É ver o problema do País
Se complicar... e nada poder fazer...
E se lembrar do tanto que já lutou
Da vida bela que um dia até sonhou
E p’ra melhorar até que denunciou!
(Junho de 2008)




AH! O AMOR!
Luíza Soares Benício de Moraes


Em mim nasceu sorrateiro,
Veio vindo devagar
Sempre fugindo eu me via
A não querer namorar!
Tinha medo de casamento
Não via exemplos a imitar
Pensava em ser independente
E assim: p’ra que namorar?
Na verdade eu fugia
Dos amigos que me falavam
Em amor ou fantasias...
Tinha até amor platônico,
Sonhava com um amor,
Mas fugia à realidade,
Amadureci p’ra muitas coisas
Mas no amor fui retardada
Fugia de compromissos!
Até que já dobrando
“o cabo da boa esperança”
Como se dizia na minha época,
Resolvi mudar...
Um amigo, bom partido,
Em quem podia confiar,
Eu não podia decepcionar
E resolvi então também amar...
Assim, numa troca confiante
Como já nos conhecíamos
Ainda namoramos um ano e meio!
E nos casamos!
No dia 03 de julho próximo iremos completar 43 anos de casados!
Somos felizes !
03 de julho de l965 (nosso casamento).



SOLIDÃO
Luíza Soares Benício de Moraes


Adoro ficar sozinha
Num trabalho de quintal
Limpando, catando folhas...
Vivendo meu natural!
Cutucando uma caqueira
Que a terra endureceu
Fuçando-a, pondo mais terra.
Ou afundando a raiz
Que já quase que morreu!
Solidão até que é bom
Para cair na real
Pois nos corres-corres da vida
Sempre estou atarefada
Esquecendo compromissos
Telefonemas, recados,
É difícil! Como é difícil!
Esta vovó ficar só...
Telefonista, porteira,
Atendente, administradeira,..
É difícil! como é difícil!
Ter um pouco de solidão!
Eu... só com muito esforço
Procuro-me em solidão!
(ano 2006)



ROLAM LÁGRIMAS DOS MEUS OLHOS
Luíza Soares Benício de Moraes


Rolam lágrimas dos meus olhos
se te ouço lamentar!
É que partilho abrolhos
sem saber te acalentar
lágrimas que derramei
por não saber te entender
nunca mais esquecerei
pois me fizeram sofrer!
Lágrima, não é tristeza
na emoção de chorar
numa alegria surpresa
sorrindo, tende a rolar!....
Vai-se a vida... O tempo avança...
Tudo muda, o globo roda,
Mas, com lastro de esperança.
Sonhar nunca sai da moda.
 



AH! MEU AMOR, SE EU PUDESSE...
Luíza Soares Benício de Moraes


Trocar meu tempo que falta
Pelo tempo que está por vir
Teria tempo de sobra,
Para ainda te curtir.
Seria um tempo talvez...
Distante do tempo teu
Em que meu tempo talvez
Fosse bem igual ao teu!
Não sei se meu tempo urge
Ou se o teu será menor
Tens medo de ir sem mim
E eu mais careço de ti
É que sou dependente
Pois a ti eu me prendi
E será bem diferente
Não te ter junto a mim!
Nessas horas nós perdemos
O elo que nos une ao Pai
E, ambos ficamos a pensar:
Ah! Meu amor se eu pudesse...
(06 de Junho de 2008)



PROTESTOS DE UM MORTO

(Ao meu pai)
Luíza Soares Benício de Moraes


Risos sem nexo...
Mãos que procuram no ar
Pegar o vento
Que tens no olhar...
Perguntas soltas...
Frases passadas
Balbuciadas
Ditas por ti,
Algum dia:
Que vivias...
Sentias...
Sonhavas...
Lutavas!
Teus protestos acabam
Sem muita ousadia
Gritando no escuro
A tua agonia!
Antevejo o desastre
Sufoco a tristeza...
Escondo o desgosto
De ver no teu rosto
A sombra da vida!
Que vida?
A tua vida!
(ano 1982)



AMO-TE... AMO-TE... AMO-TE...
Luíza Soares Benício de Moraes


É muito fácil dizer: - te amo!
É alegre de dizer
É uma frase pequena
Com um significado muito grande!
Eu te amo!
E por isso te respeito!
Eu te amo!
E por isso,
Desejo-te todo o bem!
Eu te amo!
E por isso, te dou carinho!
E te cuido, te desejo, te venero!
Eu te amo!
E, não quero que te vás!
Eu te amo!
E te preciso muito mais!
Por isso eu te peço:
CUIDA-TE!
Eu te amo!
E não desejo ficar sem ti!
Peço a Deus que não te tires de mim
Não me prives do teu amor por mim!
Nem tão pouco te faças ficar só
POIS SEI QUE MORRERÁS TAMBÉM SEM MIM!
(15 de setembro de 2006)




O SONHAR DA VIDA
Luíza Soares Benício de Moraes


Se viver, não vives.
Para os teus sonhos...
Que te vale a vida
Se não tens mais sonhos?
O sonho é vida
E para teres vida,
Tens que ter um sonho
Para o qual tu vivas!
Se tu te aceitas
Vivendo sem sonhos
Já não contagias
Aquela alegria...
Perdes a esperança
Que na vida vias.
És uma mola muda
Na engrenagem surda
Que desumaniza
Cada vez que matas
O "sonhar" da vida!
(ano 1982)



SER POETA
Luíza Soares Benício de Moraes


É ter no coração o dom de amar
É transmitir este amor no seu viver!
Saber sentir para escrever em versos
A dor de alguém ou a sua própria dor
É conciliar com palavras de carinho
Um turbilhão que se insurja de repente
Entre dois lados que ensurdecem de repente
E ameaçam a paz no coração!
É dar exemplo de carinho e proteção
Sem arrogância que leve a desunir
Mas que convença as partes inflamadas
Pensar melhor no seu modo de agir!
É ver um errado e sugerir um certo
Sem todavia impor seu desagravo
É dar exemplo daquilo que carece
De ser revisto para o bem da humanidade!
 



HOMENAGEM A UMA ÁRVORE
Luíza Soares Benício de Moraes


Pelos idos de 1975, estava no quintal aguando minhas plantinhas de caqueras, quando meus
filhos ainda pequenos, encontraram uma sementinha brotando.
- Mamãe! – Olha! Semente de quê? – Está abrindo?
Ambos curiosos, queriam plantar pensando ser uma flor. Mas, quando olhei vi que era uma
semente de fruta: cajá ou seriguela. E lhes disse : Não se trata de uma flor, é de uma fruta!
Parece que é de cajá! - Vamos plantar?
- Mas ela cresce muito, é uma árvore muito grande!
- Sei! Nós vemos no caminho para a praia!
- Mas ela pode nascer aqui também!
- Vamos plantar? – Onde?
Meu marido tinha mandado arrancar um coqueiro que era perigoso no local porque caia vez ou
outra um coco onde as crianças brincavam. Todavia, ficou no local, um pedaço do tronco.
- Disse então para eles: - vamos colocá-la aqui!
- Mas aí dentro desse tronco morto de coqueiro?
-Sim! Aqui ela vai se desenvolver e terá bastante alimento, pois o coqueiro é ótimo adubo!
Vocês não vêm como gosto de trazer da praia aqueles adubos que painho reclama dizendo ser
sujeira? É para adubar as plantas!
- E uma árvore tão grande vai nascer em cima deste tronco?
- Risos! – Não Bruno! Disse a Andréa! Ele vai servir de útero para alimentar a sementinha !
- Puxa! – você tem cada idéia! – Você quer dizer que este tronco vai servir de útero?
Todos riram e assim, curiosos, acompanharam o desenvolvimento da sementinha.
Não guardei o dia, mas aconteceu realmente o que previa. O tronco do coqueiro serviu de “raiz
mãe” para uma cajazeira. Meus filhos cresceram. Ambos já têm sua família e a cajazeira
cresceu tanto que tomou quase todo o quintal correspondente a parte de trás de nossa casa.
Todos os anos neste período entre fins de abril até junho ela produza cada ano uma imensidão
de cajás!
É uma trabalheira grande e num período geralmente chuvoso aqui no Recife! - Eles, os filhos,
não ajudam muito na colheita! Mas gostam do suco.
Os netos, dos sorvetes e mouses. Fazemos muitas doações e presentes aos nossos amigos e
vizinhos. Nossa recompensa é a alegria da fartura! Congelamos sucos para cada uma das
semanas durante um ano. Nossos amigos são avisados e alguns vêm eles mesmos nos ajudar a
apanhar, tornando um dia bem alegre!
Por outro lado, é muito refrescante o meu quintal , sombreado, e como seus galhos são altos
sobre um tronco bastante alto, não incomodam! As outras árvores. Acomodam-se bem embaixo
dela e também produzem seus frutos!
Carambola, sapoti, jenipapo!

E algumas plantinhas ornamentais.
 


 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Copyright © 2007

Fragmentos dos Meus Sonhos  -  Socorro Lima Dantas

Todos os direitos reservados
Publicado: 13.01.2007